Oráculos Terapêuticos

Oráculos-02

Meu primeiro contato com os Oráculos foi por meio do Livro “Tarô Terapêutico”, do espanhol Veet Pramad (Enrique Amorós Azpeitia). Com ele quebrei meu preconceito – afinal, como alguém pode saber do meu futuro? Onde está meu livre arbítrio? – e compreendi que os oráculos são uma incrível ferramenta de autoconhecimento!

Além de utilizar a metodologia de tiragem de Veet, também acredito que os valores envolvidos nesse método podem ser aplicados em qualquer oráculo utilizado. Pensando nisso, atualmente disponibilizo oráculos de diversas culturas para que você possa escolher qual se identifica mais. São eles:

  • Tarô Zen
  • Tarô Mitológico
  • Tarô da Mulher
  • Oráculo das Essências Vibracionais Despertar Feminino
  • Tarô da Fitoenergética
  • Oráculo da Deusa
  • Oráculo de Kuan Yin
  • Oráculo dos Deuses Hindus
  • Oráculos Xamânicos: Caminho Sagrado e Animal de Poder

Em breve: Baralho Cigano/ Ogham / Runas

Os atendimentos são presenciais e duram em média 1 hora e meia. Além disso, você terá suporte durante 7 dias, no intuito de sanar dúvidas e oferecer aconselhamento. Consulte a agenda e reserve sua data pelo telefone(11) 99843-4004 ou pelo e-mail contato@cintiacristinadecarvalho.com.br !

O pagamento deve ser feito antecipadamente, à vista ou parcelado* pelo Pag Seguro. Confira:

120x53-comprar-roxo
* Sujeito a juros da operadora
** Valor especial para pacotes de sessões

O Tarô Terapêutico

Para Veet Pramad, “o Tarô é usado a partir de duas visões radicalmente diferentes e excludentes que são a adivinhatória ou futurológica e a de autoconhecimento. Enquanto o Tarô adivinhatório pretende conhecer o futuro, o Tarô de autoconhecimento procura a transformação do ser humano. O Tarô adivinhatório pretende conhecer fatos, o Tarô de autoconhecimento pretende compreender os fatos conhecidos”.

De acordo com ele o objetivo é sintonizar o individuo com a sua essência e identificar e ajudar a resolver bloqueios, medos e padrões de comportamento que dificultam sua realização plena. Para o Tarô Terapêutico o centro não está nos fatos e circunstâncias, mas no individuo que as vive.

O Tarô Terapêutico parte de 5 princípios:

1- Nossas vidas não são o produto das circunstâncias, mas de nossas decisões, somos plenamente responsáveis pela vida que temos.
2- Tomamos nossas decisões a partir de nossas crenças e padrões de comportamento nelas enraizados, construímos nossa vida a partir de nossas crenças.
3- O principal obstáculo para atingir a realização em qualquer aspecto da vida somos nos mesmos, isto é, nossas resistências a mudar as crenças e padrões de comportamento que não funcionam.
4- Atraímos o que precisamos para crescer e não nossos caprichos mentais.
5- Cada um de nós leva dentro de si mesmo os potencias necessários para realizar-se em todos os aspectos e ser feliz.

O autor ainda aponta que a visão adivinhatória e a de autoconhecimento discrepam em três questões fundamentais que devem ficar bem claras:

1. A Questão do Destino”: Para quem faz futurologia, o Tarô é um intermediário entre o Todo-Poderoso destino e os simples mortais. Assim estes são reduzidos a espectadores de suas próprias vidas.
Para o Tarot Terapêutico somos os cozinheiros de nosso destino, continuamente o estamos criando a partir de nossas escolhas e em qualquer momento podemos mudá-lo. Como fala Jung “O Destino é o retorno da inconsciência” Quando precisamos perceber alguma coisa interna para crescer atraímos situações e pessoas que cutucam esse ponto até a gente perceber. O Tarô bem usado é uma ferramenta para mudar o destino, pois nos ajuda a tomar consciência do que realmente está atrapalhando nossa realização e mostra que atitudes são necessárias para liberar-nos.

2. A Questão da Responsabilidade: Para o Tarot adivinhatório o ser humano é um perfeito irresponsável. Que responsabilidade pode ter alguém cuja vida está amarrada ao destino, até o ponto de poder conhecer seu futuro? Liberdade e responsabilidade caminham juntas. Se insistirmos em mostrar para nossos consulentes que suas vidas são o produto de estranhas e imprevisíveis forças como sorte, azar, vontade divina, quando não de trabalhos de magia onde intervêm entidades não encarnadas, estamos degradando seres humanos para a categoria de escravos que nunca poderão libertar-se por si mesmos. E então chegam os salvadores…
Segundo a visão terapêutica somos totalmente responsáveis pela vida que levamos. Parar de colocar a responsabilidade (ou a culpa) de nossa situação nos outros, no companheiro(a), nos pais, no chefe, no governo, no destino… é o primeiro passo para mudar. A felicidade é a fortuna são questões de escolha e não de sorte.

3. A Questão do Bem e do Mal: O bem e o mal não são verdades absolutas. O que é bom para uma pessoa hoje, pode não sê-lo amanhã. O que é bom para mim, pode não sê-lo para você. Quem pretende ajudar a curar a alma não pode trabalhar com verdades absolutas ou doutrinas, pois não existem doenças e sim doentes. No entanto considerar que existe um aspecto nosso, particularmente íntimo que não foi atingido pelas manipulações e chantagens da programação familiar, onde repousa a essência do ser humano, o Ser Superior ou Supra-consciência pode ajudar-nos muito no nosso trabalho. Estas considerações são alheias ao Tarot adivinhatório que geralmente toma emprestados seus conceitos de bem e mal das religiões oficiais, doutrinando ainda mais a seus consulentes e dificultando que eles sejam eles mesmos.

Mais informações sobre o método: http://www.tarotterapeutico.info/pt/pt_taro_terapeutico.htm